Atrasos no trabalho: tolerância, desconto e como reduzir

Saiba o que a CLT diz sobre os atrasos no trabalho, calcule como é feito o desconto e saiba como reduzir o número de atrasos

A sua equipe é comprometida, mas de vez em quando tem atrasos no trabalho? Fique tranquilo, isso é normal em todas as empresas. Muitas vezes, os atrasos acontecem por situações que fogem do controle dos seus funcionários. 

Mesmo assim, é importante que você esteja atento e saiba diferenciar o atraso da falta de comprometimento. Aliás, cada caso é um caso. Para isso, entenda os motivos do atraso e pense em estratégias para manter a produtividade

Tolerância dos atrasos no trabalho

O Artigo 58 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) determina que o funcionário não pode trabalhar mais que 8 horas por dia, exceto na Jornada 12×36. Além disso, o Inciso 1º trata sobre a tolerância dos atrasos no trabalho. É importante ressaltar que essas regras valem tanto para descontos quanto para horas extras

A primeira tolerância se refere às variações em cada um dos registros de ponto (entrada, intervalos ou saída). Nesse caso, o atraso permitido é de 5 minutos em cada. Ou seja, o funcionário pode atrasar até 5 minutos no início da jornada e 5 na volta do intervalo. Mas, se passar de 6 minutos em qualquer registro, terá desconto.

A segunda tolerância determina que o limite diário de atraso no trabalho é de 10 minutos. Portanto, se o funcionário ultrapassar a tolerância máxima de 5 minutos em cada registro ou o limite de 10 minutos diários, terá desconto integral dos minutos na sua folha de pagamento.

Banco de horas para atrasos no trabalho

Planilha de Banco de Horas

Sem o banco de horas, a empresa não pode fazer a compensação dos atrasos automaticamente. Ou seja, o funcionário não pode chegar 10 minutos atrasado e sair 10 minutos mais tarde para compensar. Nesse caso, é preciso fazer o desconto de 10 minutos na folha de pagamento e garantir 10 minutos de hora extra.

Complexo, não é mesmo? Por isso, existe o banco de horas que coloca as horas trabalhadas a mais como positivas e as horas trabalhadas a menos como negativas. Portanto, se o funcionário tiver mais de 10 minutos de atraso no dia, a determinação é que esse atraso seja computado dentro das horas negativas.

Ou seja, o banco de horas permite o equilíbrio das horas durante o mês. Mas, para que esse modelo de compensação funcione bem, o colaborador deve ter acesso fácil ao seu banco de horas. Assim, conseguirá gerir a sua própria jornada e ficar atento ao prazo de validade do acordo. 

Desconto na folha de pagamento

O primeiro ponto a ser esclarecido é que, apesar de existir o tempo de tolerância de 10 minutos, a partir do momento que o colaborador extrapola o limite, é descontado todo o período de atraso, inclusive o tempo de tolerância. Depois de entender isso, o cálculo para descontar os atrasos na folha de pagamento é bem simples:

  1. Divida o salário do colaborador pelo número de horas trabalhadas.
  2. Pegue o valor da hora de trabalho e divida por 60 (minutos).
  3. Multiplique o valor do minuto de trabalho pelos minutos de atraso.

Exemplo: Paulo recebe R$ 3.000 por mês e possui uma jornada de 220 horas mensais. Em agosto, o funcionário acumulou 40 minutos de atraso. 

  1. Descubra o valor da hora de trabalho: R$ 3.000 / 220 horas = R$ 13,64.
  2. Calcule o valor do minuto de trabalho: R$ 13,64 / 60 minutos = R$ 0,23.
  3. Saiba o valor do desconto: R$ 0,23 x 40 minutos de atraso = R$ 9,20.

Ou seja, pelos 40 minutos de atraso durante o mês, Paulo deve ter R$ 9,20 de desconto na sua folha de pagamento.

Taxa de Absenteísmo

Os indicadores de desempenho ajudam a analisar como está a gestão de pessoas da sua empresa. Nesse caso, você pode aplicar o Índice de Absenteísmo (Bradford Factor) para saber quais funcionários estão com atrasos constantes no trabalho.

O foco desse indicador de desempenho é colocar mais peso nas faltas ou atrasos curtos, constantes e não planejados do que nas ausências mais longas. Para isso, realize o seguinte cálculo:

Absenteísmo (%) = Horas não trabalhadas / Horas efetivamente trabalhadas x 100

Além desse, outros índices vão te mostrar como está a motivação dos seus funcionários com relação a empresa. É o caso do Employee Net Promoter Score (eNPS), que mensura o nível de satisfação e lealdade dos próprios funcionários. Conheça os cinco principais indicadores de desempenho.

Os atrasos no trabalho levam a justa causa?

Sim, os atrasos constantes no trabalho podem levar a demissão por justa causa. Antes disso, é orientado que o gestor faça a advertência verbal, depois por escrita, dê uma suspensão e só depois recorra a demissão. Assim, é possível evitar que a empresa seja punida por abuso de poder.

Caso as punições não surjam efeito, é possível fazer a demissão por justa causa por desídia no desempenho das funções (Artigo 482 da CLT “e”). A desídia é caracterizada quando o empregado comete uma série de erros e apresenta claro desinteresse pelo trabalho, como quando tem uma frequência de atrasos.

Como diminuir os atrasos no trabalho?

  1. Ambiente positivo para trabalhar: É importante que exista uma cultura de feedback dentro da empresa, tanto para que o funcionário se sinta motivado quanto para advertir no caso de constantes atrasos no trabalho. Além disso, a empresa pode tentar identificar possíveis problemas pessoas que podem estar incentivando os atrasos. E, se for possível, colocar-se como uma parceira do colaborador para encontrar uma solução.
  2. Medir o nível de insatisfação e melhorar: Se a sua equipe não está contente com o ambiente de trabalho, possivelmente não vai se esforçar para cumprir a jornada corretamente. Para melhorar esse cenário, identifique quais são os motivos que estão gerando insatisfação: mudanças constantes do pessoal (índice alto de turnover), condições de trabalho precárias, falta de comunicação entre os gestores e equipe, entre outros.
  3. Identifique quais atrasos merecem mais atenção: Nesse caso, um bom controle de ponto pode te ajudar a identificar quais são os funcionários que apresentam atrasos constantes, ainda que sejam de intervalos curtos. Quando tiver esse relatório em mãos, vai conseguir ter conversas individuais com esses colaboradores e resolver esse problema antes mesmo dele se agravar ou se tornar algo comum.

Conheça a MarQPonto

Se você quer registrar e controlar o ponto dos seus funcionários, recorra a um sistema de controle de ponto eletrônico. Além de poupar o tempo do seu gestor de Recursos Humanos, você terá resultados mais precisos e relatórios que podem te ajudar a identificar quais funcionários demandam maior atenção.

A MarQPonto registra o ponto da sua equipe por meio de sistema web, aplicativo para celulares e tablet. Ficou interessado? Venha tirar suas dúvidas com a nossa equipe e encontre a melhor solução para o seu negócio, entre em contato pelo telefone: (41) 99252-4089. Se preferir, teste o nosso sistema gratuitamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *